24.1.08

O desembarque dos Ingleses na Figueira da Foz e o percurso até ao Vimeiro
Sara Antunes e Sara Prioste, 9.º A



O apoio às revoltas que estavam a acontecer em Portugal e também em Espanha contra a ocupação francesa, foram vistas pelo governo inglês como uma oportunidade de fazer a guerra a Napoleão, longe do seu território. A costa ocidental da Península Ibérica constituía uma boa porta de entrada no continente. O desembarque dos ingleses, previsto inicialmente para a Corunha (os espanhóis recusaram ajuda militar) veio a acontecer junto à foz do rio Mondego, depois de consultada a Junta do Porto.
No dia 1 de Agosto de 1808, o grosso das tropas Inglesas desembarcam na praia de Lavos, situada a sul da Figueira da Foz (margem esquerda do estuário do Mondego). No dia 5, o desembarque Inglês estava concluído, após uma operação difícil (o mar estava pouco calmo), na qual se perderam alguns homens, animais e carga. No dia 7, o tenente – general Arthur Wellesley encontrava-se já em Montemor-o-Velho, tendo-se encontrado com Bernardim Freire, comandante das forças portuguesas, para se estabelecer o plano das operações. O objectivo era concentrar as tropas em Leiria e daí avançar para Lisboa, sempre junto à costa, de modo a ter o flanco direito apoiado pela marinha inglesa, que constituía a principal fonte de abastecimento.
Entretanto, Junot tomou conhecimento do desembarque dos ingleses e decidiu enviar o general Delabord (na altura governador de Lisboa) e a sua divisão ao encontro das forças luso-britânicas. Ao mesmo tempo ordenou a Loison que deixasse o Alentejo e se dirigisse ao flanco esquerdo das tropas aliadas, reforçando assim o exército francês.
.
A Batalha da Roliça
De Leiria o exército inglês, integrando 2400 homens da Infantaria e 260 de Cavalaria que pertenciam a Bernardim Freire, partiu para Alcobaça, onde chegou a 14 de Agosto. No dia seguinte já estão nas Caldas da Rainha. Delaborde e as forças francesas estabelecem-se junto à aldeia da Roliça (5 Kms a sul de Óbidos), preparando-se para enfrentar as forças aliadas. O primeiro embate entre alguns batalhões das forças inimigas aconteceu no dia 15 de Agosto nos arredores de Óbidos, no sítio de “Brilos”, mas os franceses acabaram por retirar-se para junto do grosso das suas tropas na Roliça. No dia seguinte, o exército de Wellesley ocupou Óbidos e o comando aliado tomou conhecimento que Loison já tinha passado por Rio Maior. Tinham que se apressar de modo a evitar o reforço do exército francês que se encontrava na Roliça.

Os confrontos já tinham começado, quando Junot se encontrou com Loison no Cercal (20 Kms da Roliça) e só nessa altura se apercebe que os ingleses se dirigiam a Lisboa pelo caminho da costa, enquanto forças portugueses marchavam pela estrada real Coimbra-Lisboa. Achando que estas últimas não constituíam perigo, decidiu concentrar esforços para barrar o caminho aos ingleses. O local escolhido foi Torres Vedras e para aqui, decidiu desviar as tropas de Loison e dos demais comandantes franceses que o pudessem fazer.


Delaborde entrincheirado no planalto da Columbeira (sul da Roliça) ainda conseguiu criar algumas dificuldades às tropas aliadas. O tenente-coronel Lake e alguns dos seus companheiros acabariam por morrer ao subir precipitadamente em direcção ao exército francês, a 17 de Agosto de 1807. Entretanto, o comandante francês, vendo que não iria receber os reforços esperados e perante a vastidão do exército luso-britânico que se espraiava à sua frente (entre Óbidos e a Roliça), acabou por recuar para Torres Vedras, seguindo instruções de Junot para se juntar ao restante exército ocupante.

A chegada ao Vimeiro
Depois dos confrontos na Roliça, Wellesley prosseguiu a sua marcha para sul, junto à costa, na direcção da Lourinhã. Estava muito animado porque tinha tido a notícia de que um comboio naval inglês se encontrava ao largo de Peniche. Eram duas brigadas, comandadas pelos brigadeiros-generais, Acland e Anstruther, com 1300 e 2700 homens, respectivamente, que viriam reforçar o exército inglês. Havia que escolher um sítio seguro para o desembarque (o forte de Peniche estava ocupado pelos franceses). Wellesley posicionou então as suas tropas no Vimeiro, enquanto as referidas brigadas se preparam para desembarcar em Porto Novo, uma praia de pescadores a 5Kms desta localidade.