3.7.07

O CONVENTO DE PENAFIRME

Com já vai sendo tradição, a última saída do ano lectivo do nosso clube foi para visitar as ruínas do convento de Penafirme. Estão bem perto de nós, nos areais da praia de Santa Rita, mas já pertencem ao concelho de Torres Vedras. Soubemos que, muito recentemente, a Câmara desta cidade comprou os terrenos do convento a um particular de modo a poder preservar este testemunho do nosso património histórico.

A Magda redigiu um texto sobre a história deste convento:


«O convento que agora está em ruínas, pertenceu à Ordem dos Agostinhos e foi construído no século XIII. No século XVI o edifício medieval foi substancialmente ampliado. Segundo João Luís Inglês Fontes “nos finais do século XVII e inícios do seguinte o complexo conventual incluía uma grande diversidade de estruturas que as actuais ruínas tornam insuspeitas: além da igreja, que era antecedida por um alpendre e em frente da qual existia uma fonte, o mosteiro incluía o claustro, um jardim, um refeitório, uma cozinha, uma despensa, um lagar e uma adega, o dormitório dos frades e uma enfermaria e hospedaria, uma livraria, uma casa de romagem e diversas dependências para os animais (estrebaria, currais, casas para galinhas e coelhos) e para o armazenamento dos alimentos (celeiro). A igreja, além da sacristia, tinha um coro, púlpito e diversos altares com as respectivas imagens, entre as quais se contavam as da Senhora da Graça e da Assunção, de S. Francisco, do Menino Jesus, de S. Nicolau e de S. Sebastião, além de uma arca com os restos mortais de Frei João de Estremoz”*.
A localização deste convento foi alterada por causa dos piratas que vinham do mar (foi assaltado várias vezes), assim como pelo avanço das areias sobre o edifício e as hortas dos frades.
Em 1735 começa a construção do novo convento na Póvoa de Penafirme, mais longe do litoral e o velho foi abandonado quando se deu o Terramoto de 1755.

* A dos Cunhados – Itinerários da Memória, coord. João Luís Inglês Fontes, A dos Cunhados, ed.ª Pró – Memória, 2002, p.113.